A queda do Império Romano do Ocidente – As invasões “Bárbaras”

A crise sócio-económica:

- A diminuição das guerras de conquista e a consequente diminuição do número de escravos, afectando a produção;
– No século III a crise económica atingiu seu apogeu, as moedas perderam valor e os salários e os preços elevaram-se, provocando o aumento da população marginalizada e maior exploração da mão-de-obra escrava, responsáveis por revoltas sociais, exigindo a constante intervenção militar.
– A disputa entre generais por maior influência política tendeu a agravar-se com o início das migrações bárbaras.

- Entre 293 e 305, o Imperador Diocleciano dividiu o Império em duas e depois em quatro partes, dando origem à Tetrarquia, numa tentativa de fortalecer a organização política sobre as várias províncias que compunham o império e aumentar o controle sobre os exércitos.

A Tetrarquia consistiu na divisão do Império entre dois Augustos e dois Césares: Constâncio Cloro ficou com a zona Ocidental; Maximiano com o território da Itália e boa parte da África setentrional; Galério recebeu a Europa Oriental (Ilíria, Macedónia, Grécia); Diocleciano recebeu o Oriente (territórios asiáticos e Egipto).
– Durante o governo de Diocleciano e Constantino, várias medidas foram adoptadas na tentativa de conter a crise, como a criação de impostos pagos em produtos, congelamento de preços e salários, e a fixação do camponês à terra.

- O imperador Constantino foi ainda o responsável por a conciliação entre o Império e o cristianismo, a partir do Édito de Milão (313), que garantia a liberdade religiosa aos cristãos, que até então haviam sofrido intensa perseguição.

- A nova religião foi ainda mais reforçada durante o governo de Teodósio quando, através do Édito de Tessalónica, o cristianismo foi considerado como religião oficial do Império. A política imperial baseava-se na utilização da Igreja como aliada, na medida em que esta era uma instituição hierarquizada e centralizada e que nesse sentido, contribuiria para justificar a centralização do poder.

- Com a morte do imperador Teodósio I, em 395, o Império Romano foi dividido entre os seus dois filhos: Arcádio, que ficou com o Oriente, tendo por capital Constantinopla (Bizâncio), e Honório, que ficou com o Ocidente, tendo por capital Roma. A partir daí, ocorreu uma progressiva separação entre Ocidente e Oriente.

Em resumo, a desordem política, a anarquia militar e a disseminação do Cristianismo são factores que, somados às Invasões Bárbaras, foram responsáveis pela crise e queda do Império Romano. Esse processo de ocupação foi realizado pelos bárbaros, povos que eram assim chamados pelos romanos por viverem fora dos territórios do Império e não falarem latim. Foi com a introdução das tradições dos bárbaros, também chamados germânicos, que o mundo feudal ganhou suas primeiras feições.

As grandes invasões (século V)

visigodosNumerosos povos bárbaros invadiram a Gália. Toda a região entre os Alpes e os Pirineus, entre o Oceano e o Reno foi devastada pelos quados, vândalos, sármatas, albanos, gépidos, hérulos, saxões, burgúndios, alamanos e panoianos. O Império está na miséria. Mogúncia, antes uma cidade tão nobre, foi tomada e arruinada; e na sua igreja, milhares de pessoas foram massacradas. Worms foi destruída, depois de um longo cerco. Reims, aquela cidade poderosa, Amiens, Arras, Espira e Estrasburgo, todas viram seus cidadãos serem levados como escravos. A Aquitânia e as províncias de Lião e Narbona, com excepção de poucas cidades, ficaram inteira¬mente despovoadas.”

Amiano Marcelino. Res gestae. Transcrito por Robinson, James Harvey. O.cit. V1. pp 44-44. Adaptação.

Habitando as regiões fronteiriças do Império Romano, os povos bárbaros foram penetrando os territórios de Roma num processo lento e gradual. Inicialmente, dado o colapso da estrutura militar e as constantes guerras civis, os imperadores romanos realizavam acordos, pelos quais os bárbaros ganhavam o direito de habitar essas regiões. Em troca, eles defendiam a fronteira da invasão de outros povos. Esses primeiros bárbaros, incorporados no mundo romano, ficaram conhecidos como federados.

Nos séculos IV e V este processo de invasão ganhou feições mais conflituosas. Com a pressão exercida pelos Hunos (tártaro-mongóis), liderados pelo temível Átila, os povos bárbaros começaram a intensificar o processo de invasão do Império Romano.

Átila, “O flagelo de Deus”

atila

Como são os Hunos (século V)

“Os historiadores antigos mal mencionam os hunos. Eles habitam nas margens do Mar Glacial. A sua ferocidade supera tudo.
Não cozinham nem temperam o que comem. Alimentam-se de raízes silvestres ou da carne do primeiro animal que aparece, carne esta que esquentam por algum tempo, sobre o dorso de seu cavalo, entre suas próprias pernas. Não possuem abrigo. Entre eles não se usam casas, nem túmulos. Não encontraríamos nem mesmo uma cabana. Passam a vida percorrendo as montanhas e as florestas. São endurecidos desde o berço contra o frio, a  fome e a sede. Mesmo em viagem, não entram em habitação sem necessidade absoluta e não se crêem nunca em segurança.
Não têm reis nem governantes, mas obedecem a chefes, eleitos em cada circunstância. Quando se lançam ao combate, soltam no ar uma gritaria terrível.”

Amiano Marcelino. Res gestae. Transcrito por Courcelle, Pierre. História literária das grandes invasões germânicas. Petrópolis, Vozes, 1955, pp. 151-152.

O modo de vida dos Hunos

“O Historiador Amiano Marcelino (320-390), que era oficial do exército romano, descreveu assim algumas características dos hunos:
Os hunos têm um modo de vida muito rude. Não cozinham, nem temperam os alimentos. Comem raízes das plantas e carne semicrua de qualquer animal.
Vestem-se com tecidos de linho ou com peles de ratos cosidas umas às outras. Depois de vestir as suas roupas, não as tiram do corpo, até que o tempo as desfaça em pedaços.
Não possuem casas, nem cabanas, nem constroem túmulos para os seus mortos. Vivem sempre montados nos seus cavalos. É assim que compram e vendem, comem e bebem. Agarrados ao pescoço do cavalo, dormem em sono profundo.
Os hunos não se dedicam à agricultura. Passam a vida andando pelas montanhas e florestas. Não têm qualquer forma de organização estável. Parece que estão sempre fugindo nos seus cavalos e carroças.”

Gilberto Cotrin, História e Reflexão. P. 14

  • Entre os principais povos responsáveis pela fragmentação do Império podemos destacar os Visigodos, Ostrogodos, Anglo-Saxões, Francos, Suevos e Vândalos.
  • Com a invasão dos Hérulos, em 476, o último imperador romano, Rómulo Augusto, foi deposto. Odoacro, chefe dos Hérulos, subiu ao poder. Era o fim do Império Romano do Ocidente. O Império romano do Oriente, ou Bizantino, manteve-se até à conquista de Constantinopla pelos Turcos em 1453 (séc. XV).

imperioromano

O saque de Roma (século V)

“Do Ocidente chega-nos uma notícia assustadora; Roma está cercada. Dizem-nos que os seus cidadãos, que haviam pago um resgate, entregando tudo o que tinham de ouro e prata, foram novamente atacados e depois de perderem seus bens, perderam também a vida. (…)
A cidade que havia conquistado o mundo foi ela mesma conquistada. Ou, para dizer melhor, morreu de fome, antes de ser destruída. Quase não sobrou ninguém para ser escravizado. Na sua fome desesperada, os romanos comiam coisas horríveis. E até carne humana.”

São Jerónimo. Transcrito por Zelasco. G. et alii. O. cit. v. p.383. Adaptação.

Os Reinos Bárbaros:

divisao-imperio1
• Francos: estabeleceram-se na região da actual França e fundaram o Reino Franco;
• Lombardos: invadiram a região norte da Península Itálica;
• Anglos e Saxões: penetraram e instalaram-se no território da actual Inglaterra;
• Burgúndios: estabeleceram-se no sudoeste da França;
• Visigodos: instalaram-se na região da Gália, Itália e Península Ibérica;
• Suevos: invadiram e habitaram a Península Ibérica;
• Vândalos: estabeleceram-se no norte da África e na Península Ibérica;
• Ostrogodos: invadiram a região da actual Itália.

O processo das invasões bárbaras foi de grande importância para que o Império Romano e o seu conjunto de valores e tradições passassem por um processo de junção com a cultura germânica. Dessa maneira, a Idade Média, além de ser inaugurada pelo estabelecimento dos reinos bárbaros, também ficou marcada pela mistura de instituições e costumes de origem romana e germânica.

ORGANIZACÃO SOCIAL DOS POVOS “BÁRBAROS”/GERMANOS:

A organização política dos germanos era bastante simples. Em época de paz eram governados por uma assembleia de guerreiros, formada pelos homens da tribo em idade adulta. Essa assembleia não tinha poderes legislativos e as suas funções restringiam-se à interpretação dos costumes. Também decidia as questões de guerra e de paz ou se a tribo deveria migrar para outro local.

Em época de guerra, a tribo era governada por uma instituição denominada comitatus. Era a reunião de guerreiros em torno de um líder militar, ao qual todos deviam total obediência. Esse líder era eleito e tomava o título de Herzog.

celtwar-romaOs germanos viviam de uma agricultura rudimentar, da caça e da pesca. Não tendo conhecimento das técnicas agrícolas, eram semi nómadas, pois não sabiam reaproveitar o solo esgotado pelas plantações. A propriedade da terra era colectiva e quase todo trabalho era executado pelas mulheres. Os homens, quando não estavam caçando ou lutando, gastavam a maior parte de seu tempo bebendo ou dormindo.

A sociedade era patriarcal, o casamento monogâmico e o adultério severamente punido. Em algumas tribos proibia-se até o casamento das viúvas. O direito era consuetudinário, ou seja, baseava-se nos costumes.

A religião era politeísta e adoravam as forças da natureza. Os principais deuses eram: Odin, o protector dos guerreiros; Tor, o deus do trovão; e Freia, a deusa do amor. Acreditavam que apenas os guerreiros mortos em combate iriam para o Valhala, uma espécie de paraíso. As Valquírias, mensageiras de Odin, visitavam os campos de batalha, levando os mortos. As pessoas que morriam de velhice ou doentes iriam para o reino de Hell, onde só havia trevas e muito frio.

Resumo:
– Economia natural, sem moeda.
– Caça, pesca saques, pastoreio, agricultura rudimentar.
– Propriedade colectiva da terra.
– Divididos em tribos.
– Sem escrita.
– Direito consuetudinário (baseado nos costumes e na oralidade).
– Religião politeísta

No processo de invasão e formação dos reinos bárbaros, deu-se ao mesmo tempo, a “barbarização” das populações romanas e a “romanização” dos bárbaros. Na economia, a Europa adoptou as práticas económicas germânicas, voltadas para a agricultura, onde o comércio era de pequena importância.

Apesar de dominadores, os bárbaros não tentaram destruir os resquícios da cultura romana; ao contrário, em vários aspectos, assimilaram-na e revigoraram-na. Isso deu-se, por exemplo, na organização política. Estes povos, que tinham uma primitiva organização tribal, adoptaram parcialmente a instituição monárquica e algumas normas da administração romana. Muitos povos bárbaros adoptaram o latim como língua oficial. Os novos reinos converteram-se progressivamente ao catolicismo e aceitaram a autoridade da Igreja Católica, à cabeça da qual se encontrava o bispo de Roma.

Com a ruptura da antiga unidade romana, a Igreja Católica tornou-se a única instituição universal europeia. Essa situação deu-lhe uma posição invejável durante toda a Idade Média.

As invasões bárbaras

As invasões bárbaras na Hispânia

About these ads
Published in: on Dezembro 3, 2008 at 11:47 pm  Comments (4)  
Tags: ,

The URI to TrackBack this entry is: http://historia10.wordpress.com/2008/12/03/a-queda-do-imperio-romano-do-ocidente-as-invasoes-barbaras/trackback/

RSS feed para os comentários a este artigo.

4 ComentáriosDeixe o seu comentário

  1. O bispo de Roma procurava-se impor-se como chefe de cristandade. Em 1054, um cisma dividiu a Cristandade, isto é, houve a separação entre a Igreja Católica Romana, (sob o papa de Roma); e a Igreja Ortodoxa Grega, (sob o patriarca de Constantinopla).
    Quando desapareceu o poder do império no Ocidente, a igreja arrogou-se a supremacia universal.
    O papa foi reconhecido como a autoridade máxima a que se deviam submeter os poderes temporais. Apenas este tinha um poder absoluto e universal, princípios aos quais se opuseram muitos reis, príncipes e sobretudo Imperadores.

  2. Durante a Idade Média (século V ao XV) a Igreja Católica teve um grande poder(muita influência). Possuía muitos terrenos (poder económico), influenciava nas decisões políticas dos reinos (poder político), interferia na elaboração das leis (poder jurídico) e estabelecia padrões de comportamento moral para a sociedade (poder social).

  3. eu so queria saber uma coisa que completa a frase ou a resposta dessa frase

    ” religiao que mais ganhou adptos no império romano ”

    me ajudeeee

  4. olá

    Não encontrei essa frase, mas a religião que ganhou mais adeptos no Império Romano foi o Cristianismo, sobretudo depois do Édito de Milão do Imperador Constantino (em 313) e sobretudo quando o Imperador Teodósio declarou o Cristianismo como religião oficial do Império Romano (Édito de Tessalónica em 391).
    Espero ter ajudado, ou tente especificar melhor onde se encontra a frase a que se refere.


Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: